Portos do Paraná antecipam campanha contra a dengue.

por Redação | Jornal Portuário

16/11/2016

Devido à gravidade do surto ocorrido na temporada de 2016, a Appa já está fazendo pulverizações diárias, antecipando a chegada do verão.

Imprimir

Devido à gravidade do surto ocorrido na temporada de 2016, a Appa já está fazendo pulverizações diárias, antecipando a chegada do verão. O cronograma do Programa de Combate à Dengue da Administração prevê o retorno a cada três dias nos locais pulverizados, de acordo com o ciclo de eclosão da larva. Nas segundas e quintas-feiras a pulverização é feita na Vila Becker, Vila da Madeira, no setor oeste do Porto e área de extensão do pátio de caminhões da Vila da Madeira. Nas terças e sextas-feiras a pulverização é realizada na faixa primária, áreas de transbordo do porto, divisões de manutenção do Porto e faixa próxima ao Silo Público. Aos sábados e quartas-feiras a pulverização é feita no Pátio de triagem de Caminhões.

Além da pulverização, os Portos do Paraná estão orientando diariamente os cerca de dois mil funcionários que atuam na área administrativa e no cais do Porto de Paranaguá. Os motoristas de caminhões que passam pelo pátio de triagem também recebem informações.

O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, lembra que a Administração dos Portos está fazendo a sua parte. “No verão de 2016, com propósito de apoiar as ações do município, mediante acordo, a Appa entregou um novo caminhão coletor de lixo à Prefeitura Municipal de Paranaguá e repassou R$ 4 milhões para intensificar as ações de limpeza na cidade”, lembrou Dividino.

“Além disso, o Governo do Estado do Paraná lançou a vacina da dengue em Paranaguá, disponibilizando para a toda a população de doses de vacinas para atacar de frente este grave problema”, reforçou Dividino.

Ações diárias
O trabalho no combate à dengue inclui ações de higiene e limpeza, pulverização em áreas portuárias com potencial de risco, educação ambiental com foco na saúde pública, divulgação com material informativo através de e-mails, site da Appa e redes sociais.

Também foram produzidos folders e toda a frota de veículos está plotada com a campanha contra a dengue. Todas as comunidades da baia de Paranaguá e Antonina estão recebendo informações sobre as formas de prevenção e diagnóstico.

Os Portos do Paraná promovem ainda um monitoramento permanente das áreas prioritárias para ações de combate à dengue e incluiu, desde 2015, o tema no Projeto Porto Escola, voltado para as crianças da rede pública de ensino.

O Porto ampliou o trabalho de varrição de ruas e avenidas dentro da área do cais e do porto organizado. Poças de água estão sendo eliminadas por máquinas e foi criado um cronograma de pulverização diária nas áreas mais propensas ao surgimento do mosquito Aedes aegypti para eliminar possíveis criadouros.

CAMPANHAS NOS NAVIOS - A campanha de conscientização e prevenção para o combate ao mosquito da dengue junto às tripulações dos navios que atracam no Porto de Paranaguá continua. A ideia é orientar os profissionais de outros países que chegam ao porto paranaense sobre as formas de evitar o acúmulo de água parada e fazer a destinação correta do lixo produzido na embarcação, bem como identificar os sintomas da dengue.

Os profissionais da Appa também orientam os tripulantes sobre os cuidados e tiram dúvidas dos estrangeiros. Os materiais de comunicação, em inglês, contendo informações sobre os sintomas da dengue e sobre as formas de evitar a incidência do mosquito são fixados nos ambientes de maior circulação dos navios, como vestiários, dormitórios e refeitório.

“Todo cuidado é pouco. Temos que preservar a saúde da população da cidade, mas sem esquecer dos tripulantes estrangeiros que chegam todos os dias em Paranaguá. É uma medida essencial para que os navios de outros países continuem operando pelo nosso porto, sem risco”, ressalta Dividino.

O trabalho tem o apoio da Sessão de Assistência Médica e Social do Porto de Paranaguá, Seção Especializada em Segurança e Medicina do Trabalho, Diretoria de Meio Ambiente e Cia Ambiental Consultoria.

Segundo o último boletim informativo da Secretaria da Saúde, diversas regiões do Estado já apresentam condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento do mosquito. Apesar disso, o Aedes aegypti só se prolifera se encontrar criadouros propícios para depositar seus ovos.

Fonte: Portogente

 

COMENTÁRIOS

Assine nossa newsletter